Fique por Dentro

Setor movimenta US$ 38 bilhões anuais no País

16 de setembro de 2015

Maior evento do setor de mineração da América Latina, a Exposibram contou com participação de 500 expositores e projeção de receber mais de 50 mil visitantes. Foram 15 mil m² de estandes, nos quais estiveram representadas as principais mineradoras com atuação global, além dos grandes fornecedores de produtos e serviços. No espaço, foram apresentadas novidades em tecnologia, equipamentos, softwares e outros produtos ligados à indústria mineral, incluindo dados sobre investimentos e gestão.

“É o momento de buscarmos novas oportunidades de negócios e de inovação tecnológica para o setor”, disse o presidente do Ibram, José Fernando Coura, ao abrir oficialmente a Exposibram 2015 e o 16º Congresso Brasileiro de Mineração. O setor de mineração altera sua estratégia para aumentar a capacidade de produção, passando a focar em produtividade, sustentabilidade, eficiência na gestão do capital e redução de custos.

“A mineração empresarial gera sempre impactos positivos nas comunidades e regiões onde atua. Inovação e sustentabilidade são temas transversais, são constantes na moderna gestão dos empreendimentos, no País e nas demais nações competitivas”, declarou Fernando Coura. No Brasil, o setor movimenta anualmente cerca de 1,2 bilhão de toneladas de bens minerais.

 Medidas

Fernando Coura também apresentou as principais reivindicações do setor, medidas efetivas para combater a burocracia e modernizar regras internas, como as do licenciamento ambiental de projetos. “Burocracia, leis e regras defasadas dificultam e inibem a atividade minerária e sua necessária expansão. Perde-se parte significativa do invejável potencial mineral por causa dessa situação. Definição do Marco Regulatório, segurança jurídica dos contratos e o escalonamento da Cefem são itens fundamentais para o desenvolvimento do setor”, apontou ele.

Também participaram da solenidade, entre outras autoridades: presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, Rodrigo de Castro (PSDB-MG); senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES); vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade; vice-presidente da Comissão de Minas e Energia da ALMG, deputado Bosco (PTdoB); e deputado Dalmo Ribeiro (PSDB-MG).