Fique por Dentro

PIRAPORA: Hotel inaugura usina solar de microgeração distribuída

10 de novembro de 2016

PIRAPORA: Hotel inaugura usina solar de microgeração distribuída

Presidente da Comissão de Minas e Energia da ALMG, o deputado Gil Pereira (PP) participa neste sábado (05/11/16), às 16h, da inauguração da usina fotovoltaica de microgeração distribuída do Hotel Canoeiros, em Pirapora (Norte de Minas), instalada pela multinacional espanhola Solatio (divisão de geração distribuída – GD). Com potência de 74,8 KWp, o equipamento suprirá a demanda total de energia elétrica do hotel durante o período diurno.

“Trata-se de projeto inovador, exemplar e muito importante para o Norte de Minas, já que o estabelecimento é referência de hospedagem para os viajantes que buscam as belezas turísticas regionais, incluindo a culinária típica e as águas do Velho Chico”, declara o deputado Gil Pereira.

O evento contará com participação, entre outros representantes, do presidente da Solatio Pedro Vaquer Brunet, e do superintendente estadual do Banco do Nordeste (BNB), João Nilton Castro Martins.

Com 240 MW de capacidade contratada, o consórcio Solatio | Canadian é responsável pela implantação da Usina Solar de Pirapora e participará do 2º Leilão de Energia de Reserva, no dia 16 de dezembro, para empreendimentos de fontes eólica e solar fotovoltaica, quando poderá superar o total do investimento projetado de R$ 1,5 bilhão em Pirapora, no Norte de Minas. A usina será a maior da América Latina e uma das maiores do mundo.

Projeto do hotel

O diretor de Engenharia da empresa, Fernando Peral, informa que foram utilizadas no projeto do hotel 240 placas fotovoltaicas (1 m x 1,9 m) com potência de 315 W cada uma. “A energia elétrica gerada será suficiente para atender à necessidade total do hotel durante o dia, incluindo o consumo de computadores, televisores, refrigeradores, aparelhos de ar-condicionado, lâmpadas etc. A solicitação para ligação à rede já tramita na concessionária (Cemig), devendo ser concluída na próxima semana”, disse o técnico.

Além de Pirapora, a divisão de geração distribuída (GD) da Solatio, que também atua no Estado de São Paulo, está elaborando projetos semelhantes nos municípios de Manga e Janaúba, ambas também localizadas no Norte de Minas.

Com o objetivo de reduzir os custos e tempo para a conexão da microgeração e minigeração, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicou em 2015 a Resolução Normativa nº 687/2015, revisando a Resolução Normativa nº 482/2012.

Principais inovações

As novas regras vigoram desde 1º de março de 2016 e permitem o uso de qualquer fonte renovável, além da cogeração qualificada, denominando-se microgeração distribuída a central geradora com potência instalada até 75 quilowatts (KW) e minigeração distribuída aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW (sendo 3 MW para a fonte hídrica), conectadas à rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Quando a quantidade de energia gerada em determinado mês for superior à energia consumida naquele período, o consumidor fica com créditos que podem ser utilizados para diminuir a fatura dos meses seguintes (Sistema de Compensação de Energia Elétrica).

De acordo com as novas regras, o prazo de validade dos créditos passou de 36 para 60 meses, sendo que podem também ser usados para abater o consumo de unidades consumidoras do mesmo titular, situadas em outro local, desde que na área de atendimento de uma mesma distribuidora. Esse tipo de utilização dos créditos foi denominado “autoconsumo remoto”.

Outra inovação da norma diz respeito à possibilidade de instalação de geração distribuída em condomínios (empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras). Nessa configuração, a energia gerada pode ser repartida entre os condôminos em porcentagens definidas pelos próprios consumidores.

A Aneel criou ainda a figura da “geração compartilhada”, possibilitando que diversos interessados se unam em consórcio ou em cooperativa, instalem micro ou minigeração distribuída e utilizem a energia gerada para redução das faturas dos consorciados ou cooperados.