Fique por Dentro

Malha ferroviária vem definhando há mais de cinco décadas

14 de junho de 2018

Malha ferroviária vem definhando há mais de cinco décadas

Deputados e representantes da sociedade civil reforçaram a importância de se pressionar o governo federal, que anunciou a renovação antecipada das concessões de ferrovias no País, pela reforma e ampliação desse tipo de transporte. O alerta foi feito em solenidade nesta quinta-feira (14/06/18) para a apresentação formal da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras da ALMG. Criada pela Mesa no último dia 05/06/18, a comissão tem como presidente o deputado João Leite (PSDB).

deputado Gil Pereira apresentou requerimentos junto à recém-criada comissão, que já foram aprovados, para realização de audiências públicas nos municípios de Montes Claros, Pirapora, Monte Azul, Bocaiuva e Januária. Objetivo: debater a ampliação da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) no Norte de Minas, além da reativação do transporte de passageiros na nossa região.

A preocupação com os prejuízos da renovação antecipada das concessões foi apontada como uma das prioridades da comissão durante o lançamento.

Malha ferroviária brasileira é menos da metade do que era na década de 1960

Os dados apresentados demonstram que a rede ferroviária vem sendo abandonada e sucateada desde a década de 1960. De acordo com André Tenuta, da ONG Trem e do Instituto Cidades, naquela época, o país contava com 40 mil quilômetros de ferrovias e hoje só estariam em funcionamento 15 mil quilômetros.

Ele disse também que não são necessários apenas investimentos para ampliar a malha, mas também é preciso melhorar as tecnologias utilizadas. “Enquanto outros países estão discutindo e implantando o trem-bala, no Brasil nossos trens andam a 15 km/h”, afirmou o representante.