Fique por Dentro

FONTE SOLAR FOTOVOLTAICA: Inaugurada primeira cooperativa de energia renovável do País

8 de setembro de 2016

O município de Paragominas, no Estado do Pará, ganhou a primeira cooperativa de energia renovável do Brasil. A energia elétrica gerada no empreendimento, por meio de uma microusina solar fotovoltaica, será descontada diretamente da conta da concessionária.

A operação foi iniciada no último no mês de agosto na Cooperativa Brasileira de Energia Renovável (Coober), onde está localizada a microusina com capacidade de 75 KWp, potência que deve ser ampliada em breve. A Coober foi criada em fevereiro deste ano, com base nas novas regras da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que estimulam ageração de energia pelo próprio consumidor.

Após os aprimoramentos da RN nº 482/2012 introduzidos em 2015, o conceito de geração distribuída (GD) foi ampliado, compreendendo miniusinas e painéis fotovoltaicos instalados em telhados e áreas de casas, prédios residenciais e comerciais, condomínios, empresas urbanas e rurais, além de cooperativas.

“Diversos interessados podem se unir em consórcio ou cooperativa, instalar micro ou minigeração distribuída e utilizar a energia elétrica produzida para redução das faturas mensais dos consorciados ou cooperados. Neste caso do Pará, foi também usado o dispositivo previsto do ‘autoconsumo remoto’. Ou seja, mesmo titular (CPF/CNPJ) consome a energia em outro imóvel de sua propriedade, desde que na área de concessionária única”, explica o deputado Gil Pereira (PP), que presidente da Comissão de Minas e Energia da ALMG.

Liberais

Participante do projeto, Marco Morato informa que a Coober reúne profissionais liberais, como advogados, odontólogos e engenheiros, além de empresários do setor de serviços de diferentes municípios paraenses. “O contrato para constituição da cooperativa foi finalizado em abril, passando-se à fase da construção da microusina em julho até a sua inauguração no dia 5 agosto. Estamos concluindo agora a etapa da conexão à rede da distribuidora, conforme prazo estabelecido pela Aneel”, detalha Marco Morato, que integra a equipe da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

A microusina reúne 288 placas fotovoltaicas que possuem capacidade de produção média de 11.550 KW/h por mês. De acordo com a cooperativa toda energia será injetada no sistema da rede Celpa. O resultado será rateado entre os cooperados e descontado diretamente na conta de energia.

Para a Coober, as vantagens de se produzir energia renovável (solar fotovoltaica) em cooperativa e não de maneira individualizada são várias. Comissão de Minas e Energia visita CopasaEntre elas: menor valor investido, já que os custos são divididos por 23; mobilidade na produção, os cooperados podem mudar de endereço sem se preocupar com os equipamentos; desenvolvimento de cultura de colaboração; melhor escolha/avaliação das opções, mais pessoas pensando com o mesmo objetivo; melhor relação com a concessionária; e tratativas mais adequadas de benefícios e isenções fiscais.

Fonte: Agência Ambiente Energia – Meio ambiente, sustentabilidade e inovação.