Fique por Dentro

BRASIL: Casas com energia solar fotovoltaica aumentaram 10 vezes em um ano

14 de junho de 2018

Ambiente Energia | 13/06/18

A energia solar no Brasil ultrapassou a marca de 1,5 Gigawatts de capacidade instalada e deverá fechar o ano com 2,4 GW, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSolar).

Há um ano, a fonte solar abastecia cerca de 60 mil residências, número que pulou para 633 mil residências em 2018. Ao todo são 30.039 sistemas instalados de geração distribuída no País, somando R$ 2,1 bilhões em investimentos desde 2012.

“O BNDES lançou no dia 05/06/18 crédito barato também para pessoa física, atendendo ao nosso requerimento (RQC 3994/2015), período em que presidi a Comissão de Minas e Energia da ALMG. Conquista na verdade resultante da luta desde minha gestão como secretário de Estado, que atende toda a população do Norte de Minas, que passará a gerar sua própria energia, abatendo da conta de luz a energia gerada em casa”, destacou o deputado Gil Pereira.

Os juros anuais disponibilizados pelo BNDES para pessoa física são baixos: 4,03% e 12 anos para quitar o empréstimo, com carência entre 3 e 24 meses. Produtores rurais, empresas, prefeituras e governos estaduais também foram contemplados (Fundo Clima). As solicitações já podem ser protocoladas junto aos bancos públicos credenciados até 17/12/18. 

Empregos

Somando geração distribuída e centralizada, os investimentos são de R$ 6 bilhões, e até o final de 2018 devem atingir R$ 20 bilhões, informou o presidente-executivo da ABSolar, Rodrigo Sauaia.

O executivo disse que o Brasil já figura no grupo dos 30 países com mais de 1 GW instalado em energia solar, apesar de a fonte representar apenas 1% da geração total, “mas que poderá chegar a 10% em 2030, segundo estudos da Empresa de Pesquisa Energética (EPE)”, ressaltou Sauaia.

Segundo a ABSolar, de cada megawatt de energia gerado entre 25 e 30 empregos são criados e o Brasil hoje contabiliza mais de 20 mil empregos diretos e indiretos no setor.

Os consumidores residenciais são os que mais procuram a fonte solar, com 77,4% do total de sistemas instalados no País, seguidos dos setores de comércio e serviços, com 16%; consumidores rurais, com 3,2% e indústrias, com 2,4%.

Os fatores que têm contribuído para o rápido crescimento da energia solar no Brasil, segundo a ABSolar, foram a redução de 75% no preço da energia solar nos últimos 10 anos e o forte crescimento no preço da energia elétrica, que desde 2012 subiu 499%, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME).

De acordo com a entidade, somente com o aproveitamento dos telhados de residências brasileiras a geração de energia solar seria de cerca de 28.500 GW, um volume de energia maior do que as demais fontes do país combinadas. A matriz brasileira elétrica atual é de 160 GW instalados.

Além do preço, o BNDES anunciou no dia 05/06/18 linha de financiamento para geração solar distribuída destinada a pessoas físicas, o que deve impulsionar ainda mais o setor.

O financiamento estatal tem juros entre 4,03% e 4,55% ao ano, com prazo de amortização de até 12 anos e carência de dois anos. Para a primeira fase do programa, o BNDES tem R$ 300 milhões, segundo informou a ABSolar.