Fique por Dentro

BNB | NORTE DE MINAS: Novo crédito para micro e minigeração de energia renovável financia até 100% do empreendimento

3 de junho de 2016

“A linha de crédito lançada pelo BNB, específica para a energia renovável, foi pleiteada e reforça o nosso trabalho focado principalmente na geração a partir de fonte solar fotovoltaica. É instrumento estratégico para expansão do uso desse tipo de energia no Norte de Minas, que detém potencial solarimétrico de destaque apontado por estudo da Cemig. Toda a área mineira da Sudene, composta por 168 municípios, será atendida pelo financiamento”.

A declaração foi dada pelo presidente da Comissão de Minas e Energia da ALMG, deputado Gil Pereira (PP), nesta segunda-feira (30/05/16), em Montes Claros, durante lançamento de linha de financiamento Banco do Nordeste do Brasil S.A. (BNB) à micro e à minigeração distribuída de energia elétrica, o FNE Sol.

O deputado Gil Pereira trabalha para incentivar o desenvolvimento desse tipo de energia, com ênfase para a geração solar fotovoltaica, desde sua gestão à frente da Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de MG (Sedinor), entre 2011 e 2014, durante a gestão estadual de Antonio Anastasia (PSDB) e Alberto Pinto Coelho (PP).

Com transmissão simultânea nas capitais do Nordeste do País por videoconferência, o evento em Montes Claros também reuniu, no Auditório da Superintendência MG/ES: o diretor-executivo, Demetrius Monteiro, representante do superintendente estadual do BNB, João Nilton Castro Martins; o gerente-geral de Pirapora, Dorival Ferreira; e o gerente-executivo, Ananias Pereira de Souza. A linha de financiamento (FNE Sol) está disponível às empresas da região nas agências do Banco do Nordeste.

Requerimentos

Por meio de requerimentos (08/03/16), o deputado Gil Pereira solicitou aos bancos do Nordeste (BNB) e do Brasil (BB), além da Caixa Econômica Federal (CEF), providências para que sejam desenvolvidas linhas de financiamento, com recursos financeiros e juros subsidiados, especialmente voltados para projetos de micro e minigeração distribuída de energia solar fotovoltaica. “A exemplo do Banco do Nordeste, a expectativa agora é que as outras instituições financeiras públicas criem ou ampliem linhas semelhantes destinadas principalmente à energia solar”, declara o deputado Gil Pereira.

Ganho financeiro

Em Fortaleza (CE), sede da instituição financeira, o lançamento contou com a presença de representantes do setor de energia renovável, além de autoridades da sua área de atuação, que inclui os nove estados nordestinos e o Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo.

O presidente do BNB, Marcos Holanda, destacou as vantagens da nova linha de crédito. “A empresa é beneficiada porque consome energia renovável e limpa e tem ganho financeiro. Inicialmente, o custo é neutro: o financiamento é compensado pela redução do consumo de energia tradicional e, depois, tem-se diminuição significativa dessa despesa”, esclareceu.

O presidente-executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSolar), Rodrigo Sauaia, acrescentou os ganhos sociais da geração de energia sustentável: “Temos a possibilidade de gerar empregos de qualidade para o Brasil e, assim, ajudar a reaquecer a economia”.

Condições

As condições para acesso ao crédito do FNE Sol foram apresentadas pelo superintendente de Políticas de Desenvolvimento do Banco do Nordeste, Fran Bezerra: prazo de pagamento de até 12 anos, com até um ano de carência; financiamento de até 100% do investimento; taxa de juro entre 6,5% a.a. (pequenos produtores) e 11% a.a. (indústrias); e bônus de adimplência de 15%. “O desembolso de 70% dos recursos ocorre com a chegada dos equipamentos, que em boa parte dos casos são importados. Quanto às garantias, há possibilidade de alienação fiduciária dos equipamentos”, detalhou Fran Bezerra. O valor economizado na conta de energia pode ser utilizado para pagar as parcelas do financiamento.

O FNE Sol é destinado a empresas de todos os portes e setores, produtores e empresas rurais, cooperativas e associações. Podem ser financiados sistemas completos envolvendo geradores de energia, inversores, materiais auxiliares e instalação. Também esteve presente o superintendente estadual do Banco do Nordeste no Ceará, João Robério Messias.

A microgeração distribuída de energia elétrica compreende as centrais geradoras que utilizem cogeração qualificada ou fontes renováveis (hidráulica, solar, eólica, biomassa etc), conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras, e cuja potência instalada seja menor ou igual a 75 kW.

Já a minigeração distribuída engloba os mesmos tipos de centrais geradoras com potência instalada superior a 75 kW e menor ou igual a 5 MW (com exceção da fonte hidráulica, cuja potência deve ser menor ou igual a 3 MW).

Imagem1

Ao centro, pres. do BNB, Marcos Holanda, e o pres.- exec. da ABSolar, Rodrigo Sauaia, compuseram a mesa da solenidade em Fortaleza (CE)